quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Você, meu molde de ser feliz

Analiso você e eu o tempo todo. Faço matemática, probabilidade, surge idéias e pensamentos, mas não importa os resultados lógicos - bons ou ruins - no fim sempre aquela sensação de bem estar vence.
Paixonites, gostar, isso é fraco. Os primeiros dias são lindos, fofos, gostosos, dão um choque de euforia e felicidade, mas amor meu bem, amor não é só os bombons, flores e ligações de boa noite.

Há um ano encontrei você por acaso na rua e tive palpitação, corei e esqueci como se falava e vi em você o mesmo desajuste corporal em ver inesperadamente quem se gosta. Mas os dias correram rápido e obviamente surgiram problemas, incompatibilidades, decepções.. E isso não é feio, não é vergonhoso, e eu explico: é gostoso sim os sorrisos, se divertir, assistir filme em dia de chuva, dormir em tarde de domingo, confissões na cama antes de dormir, cozinhar juntos, passear na rua de mão dada, companheirismo, beijo, brincadeiras, mas é mais Lindo sentir o abraço de perdão, o cuidar, ser entendido, compreendido, ter dialogo, ter respeito, olho no olho e a certeza de que nenhum quer que tudo se perca. Isso é amor, é superar o orgulho, o individualismo, é aceitar o outro.

Trezentos e sessenta e cinco dias com você, e hoje não vou usar nada clichê pra falar de amor.
Eu amo você simplesmente porque eu nunca virei as costas e fui embora.

"A diferença entre gostar, estar apaixonado e amar, é a mesma diferença entre agora, por enquanto e para sempre."



Um comentário:

LuA disse...

Carlinhaaa, adoro o seu blog. Fazia tempo que não aparecia por aqui, mas adoro ler o que escreve.
Sempre muuuito verdadeiro!

Desejo a vocês dois a combinação perfeita para um relacionamento harmonioso: amor, paciência e respeito. Tendo isso, o resto é nada.

Adoro esse casal!
Felicidades sempre pra vocês!

Beijão.
Beijão.