terça-feira, 19 de julho de 2011

Andante sem ocasião

Vinte,
To na crise dos 20 anos, apesar de faltar alguns dias para meu aniversário.
- Ah que jovem! - diria qualquer ser humano normal, mas eu digo: Meu Deus, como foi que vim parar aqui do jeito que está? Não de forma negativa.. só apenas admirada (ou estranha...)
Antes dos 10 ou 11 anos não houve nada além do que uma infância normal, se eu ainda olhar com os olhos de criança foi bonita sim. E os 10 anos seguintes? São DEZ anos e eu mudei, e durante todo o tempo estive bem perto, perto da loucura, de engolir más decisões, mas hoje eu diria que apesar dos erros, fiz as escolhas certas, afinal apesar dos tropeços estou no caminho certo..
Ah, mas como me falta ainda crescer, como ainda me falta força e fico triste de novo ao me ver triste de novo e de novo por meros motivos criados pela minha mania inconveniente de achar que tudo vai dar errado.
E porque diabos eu fico triste volta e meia e meia volta? Eu não sei de onde vem tanta fraqueza espiritual.
Eu sou feliz, De Verdade!
Só que tem dia que essa praga me importuna e fico assim, uma medrosa feito mãe que não sabe onde o filho está.
Se eu quisesse me explicar, e dizer realmente tudo e tanto que passa no fundo dos meus olhos, contar todos os meus medos, eu teria que dividir por categorias..
Mas resumindo em uma frase, eu diria que
Eu tenho medo de perder tudo sem saber se tudo que eu amo é meu.

Um comentário:

Jessica Leme disse...

o que fazer com nossas idades...nós q não nascemos para pensar nelas...ainda somos muito jovens sim apesar de termos chegado no seu caso aos 20 e eu que tenho 23...somos jovens, e seremos assim sempre enquanto a alma não envelhecer. Medo é natural quando veem acompanhado de tantas mudanças, eu sempre sinto medo todo o tempo, mas independentemente de saber que algumas coisas ou pessoas que amo irao se perder eu sei que para qualquer lugar que eu siga eu terei o dom de fazer amar e ser amada pelas pessoas. O Medo só não pode ser maior que o amor"